Cosplay: John Constantine

Cosplayer: Andreas W. Daniel

Ele adora beber, fumar e enganar demônios, John Constantine interpretado pelo Cosplayer Andreas Daniel, é o personagem sobre o qual falaremos hoje em nossa coluna. Confira a seguir a entrevista onde conversamos sobre as melhores histórias, os atores, o filme e a série de mago mais amado e odiado do universo DC.

Ficha Técnica

Preço do Cosplay: Uma média de R$ 600,00 (terno e sapatos são para ocasiões de trabalho também).

Onde Adquiriu: Casaco no brechó, calça é do meu terno, sapato comprado em loja, tintura para o cabelo no Mercado Livre, lentes de contato com a Nya Nya Shop, a gravata foi presente de uma amiga e cigarros na frente da estação de Santo André;

Dica para quem quiser fazer este cosplay: Procure em brechós por sapatos sociais e se der sorte um casaco, e recomendo também ler as HQ’s de Hellblazer dos anos 80 para se ter uma ideia de como incorporar melhor o personagem e todos os seus trejeitos.

Super Ninguém: Qual marca de cigarros você fuma? Brincadeira, quem leu Constantine sabe que fumar é prejudicial à saúde, mas falando sério, você anda para cima e para baixo nos eventos com um cigarro apagado na boca?

Andreas: O John fuma Dunhill Fine Cut, e sim, eu ando com um cigarro apagado na boca, pois além de não ser consumidor de cigarros, é proibido por lei fumar em locais fechados, e também pela equipe de segurança dos eventos mesmo nos locais abertos.

Cosplay John Constantine / Cosplayer: Andreas Daniel

Super Ninguém: Constantine me lembra um Bukowski que ao invés de escrever, lida com demônios, bebe sem parar, fuma sem parar, está sempre na pior, e quase morreu de câncer no pulmão, é, sem dúvida um anti-herói. Por que você acha que esse tipo de personagem exerce tanta atração nos leitores?

Andreas: Simples, as pessoas adoram um ferrado, e principalmente personagens metidos a espertinhos de personalidade arrogante, o Constantine remetia ao charme punk dos anos 80, onde ser largado, alcoólatra, viciado e negligente era sinônimo de maneirice, enquanto que durante a antiga reformulação Novos 52, ele não deixa de ser nada disso, mas ao invés de um malandro que passa a perna em demônios e dorme com tudo que se mexe, ele se assume um poderoso mago e que integra um grupo com outros seres mágicos (liga da justiça sombria).

Super Ninguém: Falando em câncer no pulmão, para você, qual foi a melhor história ou arco de histórias do Constantine até hoje e por que você escolheu Hábitos Perigosos do Garth Ennis?

Andreas: Hábitos perigosos é deveras interessante, apesar de eu estar lendo as HQ’s aos poucos, mas eu escolheria a primeira trilogia de revistinhas sobre o demônio da fome, que o idiota do amigo do John faz o favor de soltar no mundo, e é onde vemos o John em sua primeira aventura solo (fora das histórias do Monstro do Pântano, que anos depois virou outro membro da Liga Sombria).

Mas, sobre a hábitos perigosos, ela pode ser considerada incrível de fato, pois ela tem um ar realista, afinal sabemos que o vício cobra seus preços e o do John como um simples humano com conhecimento mágico, não demorou muito a chegar, todavia é o desfecho que parece tornar tudo interessante, pois é onde mostra aos leitores o quão inteligente e astuto o Constantine consegue ser.

SPOILER: Afinal, conseguir fazer os três reis do inferno virem pessoalmente buscar sua alma na esperança de fazer com que o trio se destrua entre si, pois segundo as leis do inferno todos eles tinham direito a alma de John devido a acordos selados, e tendo como consequência uma dolorosa, porém bem vinda renovada em seus pulmões é de longe um trunfo e tanto na manga.

Hábitos Perigosos, escrita por Garth Ennis

Super Ninguém: Constantine já fez sua aparição no cinema, com Keanu Reeves no papel do mago. Na época foi bastante criticado, mas tenho percebido que com o passar do tempo, o pessoal tem visto com outros olhos o filme. O que você achou do longa e da interpretação do Reeves?

Andreas: Sobre esse filme, eu tenho 2 opiniões bem distintas.

É um ótimo Thriller de suspense com um ar de romance policial, mas de longe o charme maior do filme está no fato de ser o ator libanês Keanu Reeves no papel, ator do qual eu sou particularmente muito fã, principalmente como pessoa.

– Apesar de levar o nome Constantine, ele como adaptação de HQ peca horrores em diversos momentos, como a nacionalidade e caracterização do personagem, além de fazer aquele plot inspirado em “hábitos perigosos” onde o primeiro dos caídos surge e limpa os pulmões de John para impedir que ele vá para o céu.

Cosplay John Constantine Filme / Cosplayer: Andreas Daniel

Eu não critico o filme, pois o Constantine do Keanu Reeves foi minha primeira versão de cosplay do personagem (csplay esse que eu tenho planos de trazer de volta, estou planejando como), pois era a única referência que eu tinha até então, mesmo conhecendo as HQ’s, mas nunca as tendo lido, mas tenho que admitir que apesar de ser um bom filme se ignorarmos o material original (Eu daria uma nota 6/10), é uma adaptação extremamente fraca, pois tirar um personagem loiro e britânico de casaco caramelo de Liverpool e transformá-lo em um americano de roupas pretas e camisa branca, de cabelos escuros e leva-lo para Los Angeles para ter um “bromance” com a mulher do 007 é de se levar em conta.

Super Ninguém: Também tivemos uma série de TV, que teve uma única temporada, 13 episódios, com Matt Ryan no papel principal. O que você achou dela?

A série é interessante, e o Matt Ryan já tem mais semelhanças com o personagem, apesar dos olhos escuros (mas, eu entendo que usar lentes azuis dariam um tom muito falso ao personagem, ficando evidente que aquilo é uma lente) mas, reconheço que alguns efeitos práticos da série como a maquiagem de uma das criaturas (a mulher japonesa de boca cortada) era realmente feia e mal feita.

Outro ponto também que fez com que a série fosse tirada do ar, é que apesar de ser para maiores de 16 anos, por se passar em horário nobre na TV americana o Matt Ryan não podia aparecer fumando, coisa que só vi acontecer na série uma vez.

Coisa que se não me engano, rola lá pelos novos 52, pois nas animações que o Constantine aparece, eu pude contar pelo menos 8 ou 9 momentos em que ele puxaria um cigarro, tendo em vista que em uma das HQ’s ele briga com o monstro do pântano por se materializar no tabaco de seus cigarros e ainda pega uma lasca da aparição para fazer um artesanal.

Super Ninguém: Entre Reeves e Ryan, quem você prefere em um eventual novo filme de Constantine?

Andreas: Sendo bem sincero? Se for uma continuação do primeiro, o Keanu pois a chance de se sair melhor são altas tendo em vista o carisma do Keanu Reeves e o fato de que muitos fãs iriam ver o filme mais por ser ele do que pelo fato de ser uma adaptação dos quadrinhos.

O Matt é um ótimo Constantine também, e já temos muito material dele em uma série solo e no Arrowverse, que inclusive eu estou acompanhando o crossover Crise nas infinitas terras onde ele se encontra com o Lúcifer de Tom Ellis no bar (outro personagem nada haver com o material original, mas que o ator conquistou o coração de todos).

OBS: Sobre a série Lúcifer, eu fiz questão de tatuar no braço direito um trecho da música de abertura onde diz:

“Better think twice Been Evil Has a Price” (Melhor pensar de novo já que ser mal tem um preço).

Cosplay John Constantine / Cosplayer: Andreas Daniel

Super Ninguém: O Cosplay de Constantine envolve basicamente uma camisa branca, gravata desarrumada, sobretudo e um cigarro. Nos eventos as pessoas reconhecem de imediato o personagem?

Andreas: Sim, as vezes de longe eu escuto alguém gritar: “Caramba é o John Constantine!” claro, já aconteceu de um ou outro me chamar de Castiel loiro e em um grupo uma vez um cara perguntar se eu era o Light Yagami, mas em geral a galera me reconhece como John Constantine, tendo inclusive uma vez em que um bombeiro do evento estava dispersando pessoas do estacionamento e me disse: “Constantine, não podem ficar aqui!”

Super Ninguém: Sendo um cosplay relativamente simples, acho que boa parte deve estar na atitude do personagem. Você atua quando veste o sobretudo?

Andreas: De fato é um cosplay de uniforme mais básico, apesar de ser difícil achar um casaco desses por ai, pois quase ninguém sabe o nome desse tipo de peça. (Eu encontrei o meu em um brechó por sorte, e acredite, foi a peça MAIS barata do Cosplay, sendo 25 reais).

Agora, vamos ao que interessa: Eu TENTO atuar com o casaco, não vou dizer que atuo, pois atuação é algo que detém muita dedicação e estudo, e eu não tenho nenhum, então seria como se eu meio que desmerecesse o trabalho daqueles que se dedicam a isso.

Mas eu costumo pesquisar ao máximo formas de caracterizar melhor o personagem, além de imitar sua forma de andar, a cara de debochado e busco sempre copiar ao máximo tudo aquilo que eu conseguir, admito que eu poderia ser melhor se me dedicasse a estudar teatro ou coisa do tipo, quem sabe um dia.

Super Ninguém: Já encontrou algum demônio ou algum espírito maligno nos eventos em que você foi?

Andreas: Minha ex mulher conta? (Piada de tiozão)

Bom, já encontrei algumas succubus como a Evelynn do LOL e se não me falhe a memória uma Morrigan, também já encontrei com aquele tal de Pennywise e ele me reconheceu, tiramos até uma foto.

Também me encontrei com uma gracinha de bruxa chamada Sabrina Spellman, era uma menininha muito fofa.

Além do Al Simmons, ou melhor, o Spawn! E um demônio dos sonhos chamado Lullaby (Personagem original de um grande amigo meu).

Cosplay John Constantine Filme / Cosplayer Andreas Daniel

Super Ninguém: Como está sendo esse período sem eventos para usar o cosplay? Aliás, não tem como fazer um ritual e acabar de uma vez com essa pandemia?

Andreas: Eu pensei nisso, mas infelizmente estou sem tinta para os círculos de magia e minha mãe disse que se eu pichasse o chão com tinta spray ela limparia com a minha cara.

Está sendo um período difícil para todos de fato, e admito, há umas semanas eu vesti novamente as roupas de Constantine e fui até a liberdade me encontrar com uma amiga minha que também está tentando fazer o John (no caso ela está se focando no do Matt Ryan, uma versão genderbend), e admito que aquilo foi mais do que necessário para mim, pois há meses eu não me sentia mais um cosplayer, era como se algo estivesse faltando na minha vida, eu meio que precisava disso, como o Constantine precisa de cigarros e álcool eu preciso me sentir o John de novo em meio a algum evento, é enlouquecedor.

O engraçado é que eu sinto que me encontrei no personagem, apesar de ainda ser chamado pelos meus amigos de “Castiel” pois o meu Constantine é de outubro, enquanto isso eu passei boa parte do ano passado fazendo cosplay do Castiel de Supernatural, só mudando que tinha asas e mais roupa além é claro da gravata azul, mas no quesito apresentação eu sinto que não conseguia passar aquela sensação de Castiel como consigo com o Constantine, eu meio que me achei na BGS sabe, com aquele Constantine de cigarro apagado e cera no cabelo, a gravata na época era muito larga e depois eu troquei pela cor vinho que uso hoje.

Lúcifer e Constantine se encontram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *