Por Fernando Fontana

Tim Burton é um Expert em demonstrar o quão triste, hipócrita e assustador pode ser o nosso mundo, através das muitas fábulas que ele já levou para as telas do cinema, como em “Edward Mãos de Tesoura” (1990), “O Estranho Mundo de Jack” (1993) ou “A Fantástica Fábrica de Chocolates” (2005).

Burton também é um diretor que tem seus atores de confiança, sendo provavelmente o principal deles, Johnny Depp, responsável pela dublagem de Victor, filho de um casal de ricos comerciantes de peixes, que deve se casar com Victória, uma nobre (dublada por Emily Watson o original).

A Noiva Cadáver, feita em Stop Motion

“A Noiva Cadáver”, assim como “O Estranho Mundo de Jack” foi inteiramente feito através da técnica de Stop Motion, onde personagens e cenários são fotografados quadro a quadro com pequenas alterações nos modelos; ela se passa na Inglaterra Vitoriana, época em que os casamentos arranjados são uma prática normalmente aceita.

No caso de Victor e Victória ele interessa às duas famílias, já que os pais de Victor são os assim chamados “novos ricos”, com muito dinheiro, mas destituídos de nobreza, algo que esperam obter ao casarem seu filho com Victória, filha dos Everglot, cujo único patrimônio atual é o seu sobrenome, já que se encontram completamente falidos, contando com o dote do noivo para se reerguerem.

O Mundo dos Vivos em “A Noiva Cadáver”, cinza e monótono

Não é difícil perceber como o mundo dos vivos é retratado, em tons de cinza, triste, dominado pela cobiça e falsidade, e com as pessoas se movendo e executando suas tarefas rotineiras quase que mecanicamente, ou, se preferirem, como mortos vivos.

Há um lampejo de felicidade no primeiro encontro entre Victor e Victória, os jovens se apaixonam, mas, é claro, nem tudo é tão simples. Nervoso, o jovem se atrapalha no ensaio para o casamento e não consegue dizer os votos, o que irrita profundamente o Pastor, que proclama: o casamento não ocorrerá enquanto o noivo não estiver preparado.

Sozinho, na floresta localizada nas imediações da cidade, Victor repete os votos, desta vez, corretamente, mas acidentalmente o faz diante do túmulo de Emily (dublada por Helena Bonham Carter, atriz que na época era casada com Burton), jovem que morreu aguardando o seu verdadeiro amor.

A “noiva cadáver” interpreta os votos como um pedido genuíno de casamento e arrasta o pobre Victor para o mundo dos mortos.

O Mundo dos Mortos em A Noiva Cadáver, ao contrário do mundo dos vivos, colorido e agitado.

Assim que Victor abre os olhos, o contraste entre o mundo dos mortos e dos vivos fica evidente. Embora dominado por esqueletos, zumbis, cabeças decapitadas, aranhas e larvas, tudo ali é mais colorido, divertido e menos assustador.

Os mortos são muito mais simpáticos, recepcionam com alegria os recém chegados, bebem, jogam e dançam e não se importam com poder, status ou dinheiro.

Paradoxalmente, os mortos estão muito mais vivos do que os vivos.

Ainda assim estamos diante do velho dilema que presenciamos em diversos romances: A Noiva Cadáver está apaixonada por Victor que está apaixonado por Victória, e, para piorar as coisas, os pais de Victoria, diante do sumiço de Victor, encontraram um substituto, o ganancioso Lorde Barkis, que, sem saber da situação financeira dos Everglot, deseja casar-se com a jovem para dar um golpe.

Caberá a Emily decidir se irá lutar para manter Victor ao seu lado ou se permitirá que ele volte para o seu verdadeiro amor, Victória.

Aliás, o personagem interpretado por Deep possui uma personalidade tímida e exitante, por vezes incapaz de dizer o que está sentindo, ao contrário de Emily e até mesmo Victória.

Photo by Warner Bros, “A Noiva Cadáver”

O momento em que os mortos adentram o mundo dos vivos também merece ser mencionado, pois todos obviamente se sentem aterrorizados com a sua chegada, quando logo fica evidente que nada há para se temer daqueles que se foram, mas sim da forma como estão vivendo.

Não se deve esperar por grandes surpresas de “A Noiva Cadáver”, e elas realmente não fazem falta, o humor ácido de Tim Burton está presente na animação, que funciona tanto para adultos quanto para crianças.

A animação encontra-se atualmente disponível na Netflix.

Trailer “A Noiva Cadáver”

______________________________

Fernando Fontana é escritor e adulto amador, autor de “Deus, o diabo e os super-heróis no País da Corrupção” e da Graphic Novel “O Triste Destino da Namorada do Ultra-Homem”, é o criador deste site e colaborador do “Canal Metalinguagem“, onde escreve sobre filmes e quadrinhos antigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *