Entrevista com Antônio Carlos Novais, criador do site “Boxeando com a História” e autor do livro “Rocky e as referências reais utilizadas na série”

Super Ninguém: Diga rápido, sem pensar muito, quais foram os três maiores lutadores de boxe de todos os tempos?

Antônio: Puxa….que pergunta difícil…rsrsrs….mas vamos lá: Muhammad Ali, “Sugar” Ray Robinson e Archie Moore.

Super Ninguém: Você administra o site “Boxeando com a História” e escreveu um livro sobre Rocky Balboa e suas referências. Quando e como surgiu o interesse pelo boxe e a ideia de criar o site?

Antônio: Eu cresci assistindo boxe, lá no final dos anos 80, tive a oportunidade de ver grandes nomes do esporte, como: Mike Tyson, Evander Holyfield, Júlio Cesar Chavez. Essa era uma época mágica, em que eu pedia para meu pai me acordar de madrugada, que era o horário que as lutas eram transmitidas e assistíamos juntos. Meu pai faleceu em 1999, e o boxe foi um grande vínculo afetivo que carrego dele.

A ideia para o site veio a princípio como uma forma de já exercer a atividade de historiador (me formo em História no primeiro semestre de 2021), e dessa forma posso aliar minhas duas grandes paixões: boxe e história. 

Site Boxeando com a História, criado por Antônio Carlos Novais

Super Ninguém: A franquia Rocky é uma das mais longevas e bem-sucedidas da história do cinema, a que você atribuiu esse sucesso?

Antônio: Acredito que seja porque os fãs tem uma grande identificação com ele. Rocky é um homem do povo, honesto, gente boa, de bom coração, e que quando recebe a oportunidade da sua vida, a agarra com unhas e dentes. Além disso, ele tem tantos defeitos: a dificuldade de se relacionar com seu filho, confia demais nas pessoas e geralmente se dá mal. É um personagem muito humano. E a sensacional trilha sonora, que arrepia até a alma, aí temos uma combinação muito especial.

Super Ninguém: Você fala sobre as referências reais que inspiraram a série, eu sei que dizem as lendas que Stallone escreveu o roteiro do primeiro Rocky em apenas três dias, após testemunhar a luta entre o azarão Chuck Wepner contra o então campeão e favorito absoluto Muhammad Ali. Você aborda essa história em seu livro?

Muhammad Ali versus Chuck Wepner, a luta que inspirou Sylvester Stallone a escrever o roteiro de Rocky

Antônio: Com certeza! Até porque isso foi o início de tudo. Stallone viu aquela luta e foi fisgado pela inspiração! E apostou todas as suas fichas nesse projeto. É uma história espetacular que conto com mais detalhes no livro.

Super Ninguém: Tem até um filme chamado “Punhos de Sangue – A Verdadeira História de Rocky Balboa”, você assistiu?

Antônio: Sim!! E é um filme maravilhoso! Obrigatório para todos os fãs de boxe e de Rocky! Afinal, podemos conhecer um pouco mais sobre o homem que inspirou a criação de um ícone da cultura pop.

Super Ninguém: Ok, sabemos que a primeira história foi baseada nessa luta, mas se pudéssemos atribuir lutadores cujo estilo de luta combinam com os principais personagens da franquia, quais seriam?

Antônio: Apesar de Rocky ser inspirado em Chuck Wepner, a sua técnica e estilo de luta são claramente inspiradas em Rocky Marciano, um ítalo-americano que foi campeão dos pesados nos anos 50. E existem sim outras referências reais que os demais boxeadores presentes na série apresentam, mas isso seria um spoiler do meu livro…rsrsrsrs….então, leiam o livro!!

Super Ninguém: Se você tivesse que fazer um ranking, posicionando desde o melhor dos filmes da franquia Rocky, até o pior, isso incluindo os dois Creeds, como ele ficaria?

Antônio: Outra pergunta complicada. Eu adoro fazer listas, então vamos lá, do melhor para o pior:

Rocky Versus Ivan Drago

1) Rocky – o primeiro filme não só é o melhor disparado, como é merecedor de todos os prêmios que recebeu.

2) Rocky Balboa – o sexto filme foi bem marcante pra mim. Eu o assisti já na idade adulta, e o final do filme, com ele se retirando do ringue sendo ovacionado pela torcida foi…. arrepiante. Incrível.

3) Rocky 5 – não me julguem…rsrsrs….muitos fãs não gostam desse filme, e parece que até o próprio Stallone também não curte. Mas ele é especial pra mim pois eu o assisti no cinema, com 10 anos de idade, e fiquei atônito com aquela luta na rua, lembro até hoje que o filme acabou e eu fiquei surpreso, e pensei: “Ué, eles não vão lutar no ringue? O filme acaba assim”…rsrsrsrs…..

4) Rocky 3 – O treinamento de Rocky sendo conduzido por Apollo foi muito legal!!

5) Rocky 4 – A melhor luta da franquia foi contra Drago, e que luta.

6) Rocky 2 – Não que ele seja inferior aos demais, ele é exatamente uma continuação do primeiro em todos os sentidos, mas como é uma lista de preferência ele acaba ficando aqui nessa posição.

7) Creed – A franquia recebeu um novo fôlego com Adonis, e o gancho dele sendo treinado pelo velho Rocky foi uma grande sacada.

8) Creed II – de todos esses, realmente Creed II foi o mais fraco na minha opinião, tinha potencial pra ser bem melhor.

Rocky e as Referências Reais Utilizadas na Série, escrito por Antônio Carlos Novais

Super Ninguém: Além dos filmes da franquia Rocky, quais outros filmes sobre boxe, você recomendaria para os leitores?

Antônio: Nossa!! Tantos bons filmes!! É um casamento perfeito. Então vamos lá: A Luta pela esperança, Réquiem para um lutador, Touro Indomável, O vencedor, O resgate de um campeão, Punhos de campeão, O ídolo do público e o já citado Punhos de Sangue – A Verdadeira História de Rocky Balboa. Esses são os mais memoráveis, mas tem muito outros bons também.

Super Ninguém: E livros, além do seu, é claro, tem algum que você recomenda?

Antônio: Somos carentes de bons livros sobre assunto se compararmos aos livros em língua inglesa. Mas recomendo: a biografia de Mike Tyson (Mike Tyson: A verdade Nua e Crua), a biografia de Evander Holyfield (Holyfield: A luta de um campeão), o livro de George Foreman (George Foreman: Sem nunca jogar a toalha), “Homem Cinderella”, inclusive esse livro trata sobre a carreira de James Braddock, que teve sua versão em filme, que eu citei na resposta anterior: A Luta pela esperança. Protagonizado por Russell Crowe. Muhammad Ali também tem bons livros em português: como o “Rei do Mundo” e “A Luta” escrito por Norman Mailler.

Super Ninguém: Além deste livro, você já escreveu outros? Tem planos de escrever outro na mesma linha?

Antônio: Sim para ambas as perguntas! Eu escrevi ano passo um livro chamado Boxe e Coaching: Lições que aprendi. Eu falo sobre minha experiência com a metodologia do Coaching que me ajudou a emagrecer 76 quilos e faço um paralelo das ferramentas de Coaching que utilizei nesse processo com acontecimentos reais das vidas dos boxeadores. É uma leitura inusitada…rsrsrsrs….

Também tenho outros livros sobre boxe, mas são mais uma espécie de compilações de material que recolhi ao longo dos anos. Tem um sobre Muhammad Ali, Evander Holyfield e Cus D’amato (treinador e tutor de Mike Tyson).

Atualmente estou finalizando uma série de livros, será uma ficção sobre boxeadores, mas o diferencial é que não haverá um protagonista. Cada boxeador terá o seu momento de destaque, como se fosse o mundo real mesmo. O primeiro livro serve como uma apresentação dos personagens, e na sequência cada boxeador terá o seu próprio livro. É óbvio que eles sempre estarão interagindo entre si, mas no livro solo eu irei me aprofundar no personagem título. Minha previsão é de lançar o primeiro livro no primeiro semestre de 2021.

Rocky e seu inseparável treinador Mickey

Super Ninguém: Ele está disponível apenas no formato digital e por um preço bastante convidativo, certo? Onde o leitor pode encontra-lo para comprar?

Antônio: Exato. Ele, assim como os outro que escrevi estão disponíveis na loja virtual da Amazon. Quem for assinante do Kindle Unlimited pode baixar e ler todos de graça. Quem não for assinante, o livro do Rocky sai a R$ 2,99. Uma bagatela…rsrsrsrs….

Super Ninguém: Quem se interessar pelo livro é só clicar no link a seguir:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *