Lovecraft Country – Episódio 2: Whitey´s on The Moon

Se você teme spoilers, não siga em frente.

Por Fernando Fontana

O segundo episódio de Lovecraft Country começa de uma forma completamente inesperada; após os eventos de “Sundown”, era de se esperar que Atticus, seu tio George e Letitia estivessem em estado de choque diante dos horrores que presenciaram, mas o que vemos é o oposto. Música alegre, dança, luxo, George empolgado com inúmeros livros, Letitia com um guarda-roupa repleto de roupas magníficas, nenhum dos dois parecendo se preocupar com o que ocorreu.

A questão é que nem George e nem Letitia se lembram dos monstros que os atacaram na floresta (humanos e não humanos), estão sob efeito de um feitiço poderoso. Apenas Atticus se recorda e ele se esforça para que seu tio e sua amiga também consigam, embora seus esforços sejam em vão.

Letitia em Lovecraft Country, roupas luxuosas e passado esquecido

Cercados por presentes de luxo, de repente, como mágica, esquecem dos monstros do passado; uma metáfora poderosa logo no princípio, e não será a única.

A mansão em que se encontram é na realidade uma hospedagem, pertencente a Samuel Braithwhite, homem que, ficaremos sabendo mais tarde, pretende realizar um ritual que abrirá um portal para o Jardim do Éden, quando o homem era imortal, conseguindo assim, a vida eterna.

A religião está fortemente presente neste episódio, principalmente na figura de Adão, Eva e o Paraíso, como no versículo bíblico citado, gênesis 2:19 – “O Senhor fez da terra todos os animais do campo, e todas as aves do céu, e os levou até Adão para ver que nome daria a eles. E o nome que Adão desse a cada ser vivo seria o nome pelo qual seria chamado”

Adão, que em praticamente todas as imagens em que é retratado, é branco, mas que, segundo a Bíblia, ao lado de Eva, deu origem à toda a humanidade, sejam brancos, negros, orientais ou indígenas.

E já que estamos falando em Jardim do Éden, Adão, Eva e o pecado original, a serpente que engana a mulher e a condena a ser a taxada como sedutora e responsável pela queda do paraíso, não está no inferno, mas nas calças do homem.

Voltando para o mundo atual e seus pecados, Samuel lidera uma seita e Atticus, é filho do fundador dela com uma escrava, seu sangue, portanto, carrega imenso poder e pode ser útil na realização da magia que abrirá o portal.

Se no primeiro episódio o elemento sobrenatural demorou a dar as caras, ficando o medo por conta dos humanos monstros, dessa vez a magia não demora a surgir e de forma nada sutil.

Atticus sendo sacrificado para abrir os portões do paraíso

Através dela, os ricos membros da seita observam e são entretidos pelo trio de protagonistas lidando com seus sonhos e pesadelos transformados em “realidade”. Nenhum deles esboça qualquer emoção ao assisti-los, continuam a conversar como se nada estivesse acontecendo.

O pai de Atticus, finalmente encontrado, deixa claro que seu sequestro foi a forma que Braithwhite encontrou para atrai-lo até o vilarejo de Ardham e poder utiliza-lo para seus propósitos.

Para que o homem branco adentre as portas do paraíso e alcance a imortalidade, será necessário sacrificar o homem negro.

E com Atticus caminhando para o local onde ocorrerá o ritual, Lovecraft Country nos revela o poema “O Branco está na Lua” (que dá nome ao episódio) na voz de seu criador Gil Scott-Heron, músico e poeta falecido em 2011, conhecido por suas críticas ferozes aos meios de comunicação, ao consumismo e à uma sociedade que se perdia em entretenimento fútil enquanto ignorava os problemas sociais ao seu redor:

Gil Scott-Heron: Whitey on the moon

Tenho um poema. Ele se chama “O branco está na Lua” e foi inspirado em uns brancos na Lua. Só queria dar crédito a eles. Muito bem. Vamos lá:

Um rato mordeu minha irmã Nell, enquanto o branco foi à Lua.

O rosto e o braço dela incharam enquanto o branco foi à Lua.

Não posso pagar contas médicas, mas o branco foi à Lua.

Daqui à dez anos, estarei pagando, enquanto o branco foi à Lua.

Sabe, aumentaram meu aluguel ontem a noite, porque o branco foi à Lua.

Sem água quente, nem banheiro, nem luz, mas o branco foi à Lua.

Por que fez isso comigo? Porque o branco foi à Lua.

Eu já pagava $50 por semana e agora o branco foi à Lua.

Os impostos comem todo o meu salário, os drogados me deixam nervoso, o preço da comida aumenta, e como se não fosse o bastante, um rato mordeu minha irmã Nell, enquanto o branco foi à Lua.

O rosto e o braço dela incharam, enquanto o branco foi à Lua.

A grana que ganhei ano passado foi para o branco ir à Lua?

Por que não temos dinheiro aqui? E o branco foi à Lua?

Eu já estou de saco cheio de o branco ter ido à Lua.

Acho que enviarei as contas médicas pelo correio especial, para o branco lá na Lua.

Não é necessário dizer muito mais, em 1969, Neil Armstrong pisou na Lua e foi imortalizado, um passo pequeno para um homem, um salto gigante para a humanidade, enquanto uma parte da população, a maioria negra, não tinha acesso à saúde ou condições dignas de vida.

Não me leve a mal, sou fascinado pela ciência e pelos avanços proporcionados, mas é impossível não compreender a razão pela qual Scott-Heron não comemorou com entusiasmo a Missão Apollo 11.

Pelo menos, no episódio 02 de Lovecraft Country, não foi permitido ao homem retornar ao paraíso, ainda existem muitos pecados para serem expirados.

Talvez o mais surpreendente de “Whitey´s on The Moon” tenha sido que a trama que esperávamos ser estendida até os últimos episódios, ter sido solucionada, ou, pelo menos assim é o que parece, abrindo a possibilidade de novos rumos na série.

Não sei o que está por vir, mas espero que continue a ser um soco no estômago.

____________________________

Fernando Fontana é escritor e adulto amador, autor de “Deus, o Diabo e os Super-Heróis no País da Corrupção” e da Graphic Novel “O Triste Destino da Namorada do Ultra-Homem”, é criador deste site e colaborador do Canal Metalinguagem, onde escreve sobre quadrinhos e filmes antigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *