Espectro Girl em: como matar seu professor alienígena e ainda ganhar uns trocos.

Por Espectro Girl

A sala 3-E do colégio Kunugigaoka era conhecida entre os estudantes por ser onde os ruins ficavam, aqueles sem desempenho algum, cheios de problemas e sem um motivo para orgulhar o nome do colégio, é a única classe que tem aulas separadas de todo o prédio, em uma construção velha no meio do nada a  vinte minutos de distância.

Deveria ser mais um ano comum para os alunos daquela sala, chegaram a começar seu ano letivo com uma professora, Aguri Yukimura, mas por ordem secreta do governo, a docente foi substituída por um alienígena amarelo com 3 metros de altura e ainda culpado por destruir 70% da lua, a sala recebe o objetivo de assassinar esse professor até o final do ano, como recompensa, o assassino iria ganhar 10 bilhões de Ienes, pois, caso o alienígena não fosse morto em um ano, ele iria destruir a Terra, assim como fez com a lua.

Claro que não seria a tarefa mais fácil do mundo assassinar um alienígena, ainda mais quando sua velocidade é semelhante a Mach 20, ou seja, aproximadamente 24696 km/h, e a única forma de o matar é acertando seu coração com um material específico fabricado pelo governo, caso contrário, sequer faz cócegas na enorme criatura.

Korosensei, o alienígena polvo e professor da sala 3-E

Ansatsu Kyoushitsu, mais conhecido como Assassination Classroom, possui sua versão mangá, sua versão anime, e sua versão live action.

Korosensei foi nomeado pelos alunos, a combinação de 殺せない (korosenai) com 先生 (sensei) que significa de forma literal “professor impossível de matar”, mesmo com suas características e origem duvidosas, e os alunos com uma missão mais duvidosa ainda, o professor consegue colocar todos os alunos, da sala sempre tão menosprezada, entre os 50 alunos mais inteligentes de todo o colégio, seu método de ensino surtiu efeito em todos, e de brinde os ensinou a como serem assassinos profissionais.

Nota do Editor: O Canal Super Ninguém recomenda enfaticamente que seus leitores não matem seus professores.

A trama da história é dividida em duas temporadas, sendo a primeira o primeiro semestre escolar, todos os episódios são pura comédia, uma introdução confortável de cada aluno e do professor, eu mesma passei pela primeira temporada em menos de dois dias de tão entretida que fiquei, enquanto a segunda temporada é o segundo semestre, o prazo final para os alunos assassinarem Kurosensei, mas é quando a comédia é levemente deixada de lado para explicar de forma mais séria a situação por trás de tudo, desde os personagens e seus laços, até a explosão da lua.

Karma e Nagisa respectivamente

Uma boa característica da história é como cada personagem foi utilizado; temos nosso protagonista, Nagisa, um rapaz com uma aparência que lembra estranhamente uma garota, também temos Karma, um jovem explosivo e estratégico para cada momento da batalha, e a Ritsu, uma inteligência artificial do governo que entrou como estudante, por ser uma I.A., suas habilidades de cálculos são certeiros, mas as vezes cai em algum vírus e deixa de ser uma inteligência, passando a ser uma burrice.

De uma forma muito discreta vemos uma crítica a determinados estilos de ensino; no anime, o diretor do colégio incentiva os alunos da classe “A” a serem sempre fortes, mas não apenas na forma poética da palavra, fortes no sentido de sempre serem superiores a classe E, conseguindo sempre as melhores notas, os confrontando de forma agressiva nos eventos escolares, e até os problemas que as garotas precisam enfrentar.

Assassination Classroom – Capa do Live Action

Deixa de uma forma implícita que o ensino é uma gincana de conteúdo, onde quem conseguir decorar mais o livro e as informações inúteis do cotidiano, mais irá se destacar, mesmo que isso signifique não possuir mais nenhuma característica que o destaque além da capacidade de decorar e esquecer em seguida.

Não vou apenas expor meu enorme amor ao anime, também preciso dizer sobre a live action, não?

Pois digo, decepcionante.

O filme pega apenas a segunda metade da segunda temporada, ou seja, você precisa ter assistido o anime ou lido o mangá para compreender o contexto, mas ainda ficou decepcionante por ter perdido a essência de comédia que a história carrega, os comentários idiotas para descontrair a tensão, ou apenas a professora de inglês aparecer para fazer alguma desgraça com seus silicones.

Assista o live action por sua conta e risco, só não diga que não avisei.

O anime conseguiu amarrar as ligações que foram deixadas no decorrer da trama, relembrou pequenos detalhes que as vezes esquecemos, chega até mesmo a nos fazer ter empatia com uma criatura amarela de três metros que irá destruir a Terra em um ano, e de quebra aprendemos diversos estilos de assassinos profissionais, mas, por favor, não use esse conhecimento, já basta a pandemia e os hospitais sobrecarregados.

Trailer Assassination Classroom

__________________________________________

Espectro Girl nunca matou um professor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *