The Boys – Segunda Temporada, Ep. 05: É hora de cair fora

Por Fernando Fontana

O Capitão Pátria avisa, há spoilers nesse texto.

Passamos da metade da Segunda Temporada de “The Boys” e o inimaginável aconteceu, encontramos alguém para odiar tanto quanto odiamos o Capitão Pátria (Anthony Star).

Não que o maior e mais poderoso herói da Vought não se esforce para ficar no topo da lista de personagens odiados. Desta vez ele faz uma rápida incursão na África, mata sem nenhum esforço o que pode ou não ser um super terrorista, ao mesmo tempo em que atinge um garoto inocente.

A incursão do Capitão Pátria lembra a frieza e a impessoalidade de um ataque com mísseis, abatendo o inimigo a distância, com eficiência, velocidade, porém sem se importar com os danos colaterais.

De fato, ao ficar sabendo que um inocente morreu e que sua ação foi filmada, o único efeito colateral que realmente preocupou Pátria foi a possível queda de popularidade, que foi confirmada e avassaladora.

Capitão Pátria ataca e mata um suposto super terrorista

Incrédulo, Pátria assiste protestos contra ele eclodirem, sem conseguir compreender as reais razões por trás da indignação da população. Essa completa falta de conexão com a realidade, leva o “herói” a tentar convencer os participantes de um destes protestos com o velho discurso que sempre utilizou com sucesso, mas que agora se mostra inócuo.

Aqui também há uma cena que mostra o que o Capitão Pátria realmente gostaria de fazer com quem discorda de sua opinião, e por um momento, imaginamos que a série havia tomado um rumo completamente diferente.

Desesperado e impotente diante dos eventos, Pátria finalmente procura a ajuda de Tempesta (Aya Cash), que fica feliz em ajudar.

O recurso que ela utiliza para recuperar a popularidade do “herói” não é um super poder e nem tão pouco ficcional, pelo contrário, está intimamente ligado à nossa realidade, com efeitos igualmente nefastos: as redes sociais, simplificação de problemas complexos, ódio exacerbado, falsa dicotomia e Fake News.

Os políticos já descobriram o poder devastador que a internet possui quando se trata de criar ou destruir reputações, vencer ou perder eleições, e “The Boys” tem a brilhante sacada de levar isso para as telas.

Profundo e sua mais nova esposa em entrevista

Perceba que há inúmeras cenas deste episódio em que os heróis estão em um set de filmagem, atuando para um filme, e isto não é por acaso; a ironia é que a grande maioria deles atua o tempo todo, fingindo serem o que não são, com uma equipe dizendo o que eles devem vestir, comer e principalmente falar.

Este também é o caso do Profundo (Chace Crawford), que está em um casamento arranjado com Cassandra (Katy Breier), escolhida a dedo pela Igreja da Coletividade. O ex-integrante dos “Sete” é agora garoto propaganda da igreja, e é do interesse dela que seja visto como um modelo de virtude, volte a ser popular e reintegrado ao grupo.

É possível que nos próximos episódios haja pressão por parte da igreja junto à Vought para que Profundo seja removido do limbo em que se encontra, e nós sabemos que, graças aos seus fiéis fervorosos, entidades religiosas possuem grande influência.

Para isso, ele também poderá contar com a improvável ajuda de Maeve (Dominique McElligott), que está cansada de ter sua homossexualidade explorada pela Vought, graças aos caprichos do Capitão Pátria; mais do que isso, ela teme que sua companheira, Elena (Nicola Correia-Damude), possa ser ferida ou morta, caso ela se recuse a seguir nesse jogo doentio.

Tudo aponta para uma aliança entre Maeve e Profundo contra o Capitão Pátria.

Black Noir espreitando durante o dia

Você sabe o porque do Batman normalmente não agir durante o dia?

A explicação está neste episódio, com Black Noir facilmente identificado no telhado por Billy Butcher (Karl Urban). O “herói” sombrio está espreitando com o provável objetivo de eliminar Butcher, Leitinho da Mamãe (Laz Alonso) e Hughie (Jack Quaid), e amigo, se o Batman com super força está na sua cola, é bom começar a fazer as pazes com o Criador.

Os três passam praticamente todo o episódio dentro da casa de Judy (tia de Butcher) tentando encontrar uma maneira de escaparem vivos de um super que é mais rápido do que um carro, forte o suficiente para quebrar paredes e a prova de balas.

Com boas ideias eles adiam o inevitável confronto, e quando ele acontece, Butcher se vê obrigado a utilizar sua única carta na manga contra Stan Edgar (Giancarlo Esposito), o único capaz de fazer Noir recuar.

A luta entre os “Boys” e Black Noir revela mais uma vez a disparidade de forças e a inutilidade de um confronto direto com os “Sete”. Humanos comuns não tem chance alguma contra os supers, a não ser que consigam enfiar um explosivo em seus orifícios anais.

O que nos faz lembrar da única Super do grupo, Kimiko (Karen Fukuhara), que após a morte do irmão está ainda mais fora de controle; nem mesmo o Francês (Tomer Kapon) consegue acalmá-la e ainda descobre que ela está aceitando encomendas para assassinar pessoas.

Por enquanto, parece difícil utilizar Kimiko em qualquer tipo de estratégia, ainda mais com o preconceito contra supers nutrido por Butcher.

Pátria e Tempesta em um relacionamento doentio

Finalmente a última cena, uma metáfora perfeita e mais uma pérola dessa série; como já dissemos nesse texto, após perceber que os cidadãos não estão mais comprando automaticamente seu antigo discurso, Pátria procura ajuda de Tempesta que utiliza as Redes Sociais para ajudá-lo, disseminando o ódio.

O Capitão Pátria que no episódio anterior dizia não precisar de ninguém, agora se entrega, abraça e transa com Tempesta e tudo aquilo que ela representa.

O episódio termina, portanto, com o patriotismo cego fazendo amor com requintes de sadomasoquismo com a xenofobia, o racismo e o fascismo, ao som de “Dream On” (Sonhe) de Aerosmith.

Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

Trailer Episódio 06 The Boys

_______________________________________________

Fernando Fontana é escritor e adulto amador, autor de “Deus, o Diabo e os Super-heróis no País da Corrupção” e da Graphic Novel “O Triste Destino da Namorada do Ultra-Homem”, é criador deste site e colaborador do Canal Metalinguagem, onde escreve sobre quadrinhos e filmes antigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *