The Boys – Segunda Temporada, Ep. 06: Arrombando Portas

Por Fernando Fontana

Neste texto há spoilers, poderes bizarros e cabeças explodindo!

Ao nos aproximarmos do final da segunda temporada de “The Boys” já estamos mais do que acostumados com a ideia de que humanos não passam de balões de sangue que os supers conseguem estourar com imensa facilidade, mas “Arrombando Portas”, o último episódio da série usa e abusa desse recurso, até mesmo com uma cena que me lembrou Akira de Katsuhiro Otomo.

Capitão Pátria (Antony Starr) segue sendo tão odiável que consegue o impensável, fazer você sentir pena do bandido e torcer para que ele escape do herói. Pelo amor de Deus, alguém salve o assaltante desse maluco!!!!

E ele, é claro, não está sozinho, seu romance com Tempesta (Aya Cash) segue firme e forte, com uma ideia bastante peculiar de local ideal para consumar sua paixão. E as metáforas explodem na tela, a representação máxima da nação com as mãos cobertas de sangue, fazendo amor em um beco imundo com o nazismo.

“Liberdade tem um Preço” é a frase que o Capitão Pátria utiliza para justificar a morte acidental de um inocente ao assassinar um super na África, supostamente um terrorista.

Liberty, identidade que foi utilizada no passado por Tempesta

“Liberdade” é também o nome que Tempesta utilizou no passado, quando às escondidas matava negros simplesmente por serem negros. Ao contrário de Madelyn Stillwell (Elizabeth Shue), que mentia para Pátria, e acabou sendo morta, ela decide revelar toda a verdade, sem rodeios. Com 100 anos de idade, foi casada com Frederick Vought, que lhe deu os super poderes, dançava com Heinrich Himmler, tirava fotos com Goebbels, o ministro da propaganda e da mentira de Hitler, e é nazista até os ossos.

Seu insano plano: utilizar um exército de super humanos para aniquilar as outras raças que ameaçam a cultura supremacista branca, com o Capitão Pátria como líder dessa espécie de quarto reich.

Vou destacar aqui uma frase dita por Tempesta para Pátria e que resume muito bem o que o herói da Vought representa: “Você é tudo com o que sonhamos”!

Resta saber qual é o papel de Stan Edgar (Giancarlo Esposito) nisso tudo; ele não é o tipo de pessoa que os nazistas poupariam. Dinheiro talvez seja a explicação mais óbvia, embora teremos que esperar para ver.

Para aumentar suas fileiras de forma rápida e eficiente, a Vought tem utilizado o hospital psiquiátrico Sage Grove, para testar o Composto V, tentando estabilizar a fórmula para que possa ser aplicada não apenas em bebês, mas em adultos sem oferecer riscos ao usuário.

Isso talvez seja um indicativo de que no futuro possamos ver Billy Butcher e companhia com super poderes, já que nos quadrinhos eles fazem uso do Composto V para ficarem em condições de igualdade com os supers e na série isso não foi explorado.

Facho de Luz, com e sem seu antigo uniforme

Ainda que, diferente da série, eles não utilizem o Composto V, neste episódio surgem inúmeros supers que podem ser aliados em potencial. Luz Estrela (Erin Moriarty) removeu o chip que permitia à Vought localizá-la, o que é o mesmo que assinar um atestado de que abandonou os “Sete”, aliando-se aos “Boys”.

Além dela, temos Facho de Luz, que no passado incinerou os netos da Coronel Grace Mallory (Laila Robins), fazendo com que o Francês (Tomer Kapon) se sentisse culpado por suas mortes, já que ele deveria estar vigiando o Super.

Com os segredos revelados, descobrimos o que levou o Francês a deixar de vigiá-lo e que Facho de Luz não queria matar as crianças e sim Mallory; a morte delas foi acidental e esse evento ainda o assombra. A atitude do ex integrante dos “Sete” no hospital psiquiátrico, não entregando a equipe de Francês e Leitinho da Mamãe, mostra que ele está disposto a mudar de lado.

Se isso for confirmado, os “Boys” passariam a contar com três supers em sua equipe, isso sem contarmos Rainha Maeve, que já demonstrou simpatia por Luz Estrela, e que para proteger a mulher que ama está disposta a confrontar o Capitão Pátria.

Ainda tem os supers que fugiram do hospital psiquiátrico para colocar ainda mais gasolina na fogueira de que devem ser os dois últimos episódios, uma delas extremamente poderosa, capaz de esmagar um ser-humano com o poder da mesma forma que você e eu esmagamos uma latinha vazia de coca-cola.

Ah sim, impossível não mencionar o super com o poder mais bizarro que eu já vi em toda minha vida, o super pênis!!! Limites? Não há limites em “The Boys”!

Trem Bala que está fora dos “Sete” deve se juntar à Igreja.

E para encerrar esse post, temos que falar do “Profundo” (Chace Crawford), que depois de se casar, agora está prestes a recrutar o “Trem Bala” (Jessie Usher) para a Igreja de Coletividade. Aparentemente o líder da igreja adotou a estratégia de trazer supers desprezados pelos “Sete”, mas que possuem grande potencial de Marketing, ainda mais se forem “restaurados pela fé”.

A igreja também demonstra possuir informantes espalhados, o que lhe permite saber por exemplo que “Trem Bala” não será apenas trocado, o novo velocista a integrar os “Sete” utilizará seu nome, seu uniforme e sua marca, uma vez que ela pertence à Vought.

E qual é o lance com a o tal refrigerante “Fresca”? Parece ser uma marca registrada dos membros, uma maneira deles se reconhecerem, mas em se tratando de “The Boys”, pode ser bem mais.

Bem, faltam dois episódios, e não é por acaso que a série é a mais assistida da Amazon Prime. Ela tem vilões que você ama odiar, um grupo que está em constante desvantagem, mas tentando fazer o que é certo e uma trama envolvente.

Além disso, conversei com algumas pessoas que leram os quadrinhos, e elas foram unânimes em dizer que ela consegue algo raro, ser ainda melhor do que o material original escrito por Garth Ennis.

Eu gostei da ideia de três episódios no lançamento e depois um por semana, dá mais tempo para digerir o que acontece e conversar a respeito, mas não vou negar que vai ser difícil esperar para ver o que vai rolar.

Preview The Boys Segunda Temporada Ep. 07

_______________________________________________

Fernando Fontana é escritor e adulto amador, autor de “Deus, o Diabo e os Super-heróis no País da Corrupção” e da Graphic Novel “O Triste Destino da Namorada do Ultra Homem”, é criador deste site e colaborador do Canal Metalinguagem, onde escreve sobre quadrinhos e filmes antigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *