Mandaloriano – Temporada 2, Ep. 09: O Xerife

The Mandalorian (Pedro Pascal) and the Child in THE MANDALORIAN, season two, exclusively on Disney+

Por Fernando Fontana

Mandaloriano retorna mantendo o clima de velho oeste e a qualidade da produção, que segue sendo uma das melhores coisas já feitas dentro do universo Star Wars

Há spoilers no texto abaixo, pois este é o caminho

A Disney chega com seu serviço de Streaming no Brasil e uma de suas principais atrações é, sem dúvida, Mandaloriano, Show que retorna em sua segunda temporada mostrando que soube compreender as razões de seu sucesso.

Em seu nono episódio (primeiro da segunda temporada), logo no título, “O Xerife”, revela que o clima de velho oeste deve permanecer, com Mando (Pedro Pascal) em busca de outros Mandalorianos para auxiliá-lo a devolver o pequeno “Yoda” para o seu povo, cuja origem ainda permanece um mistério.

O cenário escolhido é mais uma vez o desértico Tatooine, mais especificamente uma vila perdida no meio do nada chamada “Mos Pelgo”, local onde, segundo informações obtidas por Mando, habita outro Mandaloriano.

Em Mos Pelgo, Mando encontra o xerife local, Cobb Vanth (Timothy Olyphant), que comprou uma armadura de Mandaloriano dos Jawas e a utiliza para proteger a vila de ameaças como saqueadores e o Povo da Areia. O problema é que essas armaduras são sagradas para os Mandalorianos, e só podem ser utilizadas por eles, estabelecendo imediatamente tensão entre o Vanth e Mando, tensão essa que só dura até o surgimento da criatura que irá movimentar toda a trama do episódio até o seu final, o Dragão Krayt, uma espécie de verme de areia tão grande que jantou um Sarlaac e agora habita o seu ninho.

O xerife de Mos Pelgo, Cobb Vanth e Mando, aliados por uma causa comum

A simplicidade do roteiro de Jon Favreau, que também dirige o episódio, acaba sendo um trunfo aqui; algumas séries acabam partindo para tramas extremamente complexas e, muitas vezes, não conseguem dar conta do que se propõe. Sabendo da riqueza do universo que tem em mãos, Favreau não se apressa e nem tenta inventar a roda, entregando uma ideia básica, mas muito bem trabalhada.

Cobb Vanth pode afastar malfeitores e o Povo da Areia, mas não o Dragão Krayt, que vem causando prejuízos e atormentando Mos Pelgo desde a sua fundação. Ele pede então a ajuda de Mando para eliminar o monstro, e em troca, entregará a armadura.

Mando prefere a missão do que um confronto desnecessário, e pronto, temos uma história, enriquecida pelos elementos típicos dos antigos filmes de velho-oeste, como os enquadramentos, o duelo, o salão, o gado, o xerife, a vila que precisa de ajuda e os índios, claramente representados pelo povo da areia.

O Mandaloriano e o Povo da Areia

O fato do Mandaloriano saber falar a língua do Povo da Areia, aliado ao fato de que eles também enfrentam problemas com o Dragão Krayt, tornam sua presença ainda mais valiosa na luta contra a criatura, uma vez que ele exerce a função de mediador entre eles e os habitantes de Mos Pelgo, que durante muito tempo se enfrentaram e jamais cogitaram uma união.

Os elementos se amarram perfeitamente e a batalha final contra o Dragão é empolgante e não decepciona, sustentada por ótimos efeitos especiais.

Mandaloriano segue sendo uma aula de como tratar com carinho um universo com tantos fãs espalhados pelo mundo, com uma dupla de protagonistas extremamente cativante, histórias e coadjuvantes que convencem.

______________________________________________________________

Fernando Fontana é escritor e adulto amador, autor de “Deus, o diabo e os super-heróis no País da Corrupção” e da Graphic Novel “O Triste Destino da Namorada do Ultra Homem”, é criador deste site e colaborador do Canal Metalinguagem, onde escreve sobre filmes e quadrinhos antigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *