WandaVision – Temporada 01, Ep. 03: Agora em Cores

Por Fernando Fontana

O texto a seguir contém fraldas e spoilers

E as cores finalmente chegaram em WandaVision, dando, inclusive, nome ao episódio. Estamos na década de 70 e Wanda (Elizabeth Olsen), como já sabíamos desde o final do episódio anterior, está grávida, uma gravidez que surgiu repentinamente e que avança em uma velocidade espantosa.

O Visão (Paul Bettany) chega a questionar o médico sobre o quão repentina foi a gravidez, e quer saber como foi que aconteceu. Seguindo a lógica já estabelecida, o doutor responde explicando como se explicasse para uma criança do primário, a forma que os bebês vem ao mundo, reproduzindo mais uma vez o humor típico das séries da época, humor esse que vai se perdendo na medida em que tudo fica mais e mais surreal, reforçando a sensação de desconforto.

Wanda está feliz, ela quer se tornar mãe e formar uma família ao lado do Visão, qualquer tentativa de questionar essa realidade, será corrigida ou anulada. Presenciamos ela alterando a realidade novamente, dessa vez, quando o Visão diz acreditar que há algo de errado com Westview, já que algo sempre acontece para impedir que os vizinhos descubram o seu segredo.

Este segredo que tanto tentam proteger da vizinhança, pode ser interpretado como o fato do Visão ser um sintozóide e Wanda possuir poderes extraordinários, como também algo muito maior, a ideia de todos estarem vivendo em uma realidade fabricada pela Feiticeira Escarlate. Em um instante, o Visão está preocupado, falando sobre sua percepção de que tudo que está acontecendo não parece certo, temos um corte rápido, a cena volta alguns segundos sem qualquer explicação, e retornamos para o roteiro tranquilo e descomplicado das séries dos anos 70.

Assim como está evidente que Wanda fabricou e controla a realidade, também ficou claro que a agência governamental conhecida como S.W.O.R.D. ( sigla que pode ser traduzida para Departamento de Resposta de Observação de Arma Senciente) está tentando invadir e de alguma forma despertar a Feiticeira Escarlate.

O símbolo da S.W.O.R.D. já havia aparecido anteriormente, como no helicóptero vermelho que caiu do céu no episódio anterior, se destacando em meio ao ambiente em preto e branco, e agora, descobrimos que Geraldine (Teyonah Parris), é na realidade uma agente da organização infiltrada, que ao mencionar a morte de Pietro, irmão de Wanda, nas mãos de Ultron, se mostra uma ameaça intolerável, e é imediatamente expulsa para o mundo real.

Embora ainda não revelado na série, sabemos que o nome verdadeiro de Geraldine é Mônica Rambeau, uma super-heroína que nos quadrinhos já fez parte dos Vingadores e que agora surge no universo cinematográfico da Marvel.

Quanto mais tempo passa, mais doloroso e desesperador será para Wanda abrir mão do que criou, agora não apenas trouxe o Visão do mundo dos mortos, mas também gerou dois filhos, e ela provavelmente irá lutar com todas as forças para impedir que tirem sua família.

Uma questão interessante é o quanto Herb (David Payton) e Agnes (Kathryn Hahn) sabem sobre o que está acontecendo. Quando Visão os surpreende conversando do lado de fora da casa, eles questionam sobre a presença de Geraldine ao lado de Wanda, ao mesmo tempo que dão a entender que estão cientes de que o mundo onde estão não é real.

Aos poucos, a série vai revelando peças do quebra-cabeças, e a imagem que se forma, embora não surpreendente (a maioria já apostava em uma realidade fabricada por Wanda, enquanto o mundo exterior tenta acordá-la), guarda alguns mistérios. Sabemos ou acreditamos saber o que está acontecendo, mas não exatamente como as coisas chegaram onde estão, se Wanda é a única culpada, e como a S.W.O.R.D e demais super-heróis que estão do lado de fora irão solucionar o problema.

Não há necessidade de pressa por confronto , até mesmo pelo que vimos nos trailers, o ritmo eventualmente irá acelerar, enquanto isso, ainda temos algumas décadas para visitar, e seis episódios para aproveitar essa jornada diferente de tudo que já havíamos visto no universo dos super-heróis.

________________________________________________________________

Fernando Fontana é escritor e adulto amador, autor de “Deus, o diabo e os super-heróis no País da Corrupção” e da Graphic Novel “O Triste Destino da Namorada do Ultra Homem”, é criador deste site e colaborador do Canal Metalinguagem, onde escreve sobre filmes e quadrinhos antigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *