Invencível – Temporada 01, Ep. 01: Já estava na hora

Por Fernando Fontana

Há um Superman com bigode e spoilers no texto abaixo.

Robert Kirkman ficou mais conhecido por ter criado e escrito a série de quadrinhos “The Walking Dead” para a Image Comics, cujo primeiro número foi publicado em outubro de 2003, e posteriormente, em 2010, adaptada para a TV pelo canal AMC, que atualmente conta com 10 temporadas.

Seu outro trabalho de sucesso, também publicado a partir de 2003 pela Image Comics é “Invencível”, que agora foi transformado em uma animação para maiores de 18 anos na Amazon Prime Vídeo, com os três primeiros episódios lançados nesta sexta-feira, dia 26 de março.

Invencível narra a história de Mark Grayson (dublado por Steven Yeun), filho de Nolan Grayson, o maior super-herói do planeta, Omini-Man (dublado por J. K. Simmons), o equivalente ao Superman só que com bigode e cabelos grisalhos. Mark, no entanto, ainda não manifestou seus poderes, apesar de seu pai insistir que eles surgirão a qualquer momento.

Em um primeiro momento parece que veremos um pouco do que é ser o filho do Superman (embora ninguém saiba), e ao mesmo tempo ser apenas um ser-humano comum, ou meio humano, meio viltrumita, já que Omini-Man veio do planeta Viltrum. Temos a tentativa de enfrentar um valentão para defender uma amiga, Amber (Zazie Beetz), a inevitável surra, a frustração, mas tudo isso não dura nem 15 minutos, e logo, Mark descobre seus super poderes, ao que tudo indica, semelhantes aos do pai.

Mark Grayson, o Invencível, e seu pai, Omini-Man

Passamos então para o jovem Mark sendo treinado pelo pai e tentando seguir seus passos, transformando-se no super-herói conhecido como Invencível, mas, ainda assim, sob a sombra do maior de todos os heróis.

Há uma cena que de certa forma antecipa que pode haver algo de errado com o Omini-Man. Mark e ele estão jogando uma bola de baseball um para o outro, mas com super força o jogo fica bem diferente. Nolan joga a bola em uma direção, ela percorre todo o globo e Mark a pega do outro lado. Ao lançar uma dessas bolas, nenhum dos dois vê, mas ela quase atinge um avião comercial e mais para a frente, por pouco não mata dois alpinistas. Fica a dúvida, Omini-man não percebeu o risco daquilo que estava fazendo, ou simplesmente não se importava?

No final do episódio descobrimos a resposta para esta pergunta, assim como a razão pela qual essa animação é para maiores de 18 anos. Em um confronto digno de “The Boys”, outra série da Amazon Prime com uma versão maligna do Superman, Omini-man luta contra os Guardiões Globais, cujos membros são versões da Liga da Justiça, e o que temos é um massacre, ou “o que aconteceria se o Superman realmente decidisse lutar para valer”, com destaque para o que ele faz com o Batman.

Omini Man e Invencível, pai e filho

As motivações por trás do crime hediondo cometido por Omini-Man, Mark tornando-se um super-herói e tendo seu pai como modelo, sem saber do que ele foi capaz de fazer, tudo isso parece promissor, mas perde parte do impacto porque chega depois da já mencionada “The Boys”, com sua violência e super-heróis com moralidade bastante duvidosa.

Aliás, versões malignas do Superman não são novidade, temos o Plutoniano, protagonista da série em quadrinhos “Imperdoável” (2009 – 2012), escrita por Mark Waid, onde o antes maior herói da Terra se transforma no maior vilão. No filme “Brightburn – Filho das Trevas” (2019) do diretor David Yarovesky, um bebê vindo do espaço, torna-se uma criança maligna, um pequeno psicopata com os poderes do Superman, aterrorizando a todos.

Invencível foi publicado antes, em 2003, mas sua animação chega depois, quando o público já teve contato com a ideia principal. Ainda assim, este primeiro episódio, seu ritmo intenso, e a relação entre pai e filho parecem ser mais do que o suficiente para cativar o público e tornar-se mais um sucesso.

_____________________________________________________________________

Fernando Fontana é escritor e adulto amador, autor de “Deus, o diabo e os super-heróis no País da Corrupção” e da Graphic Novel “O Triste Destino da Namorada do Ultra Homem”, é criador deste site e colaborador do Canal Metalinguagem, onde escreve sobre filmes e quadrinhos antigos.

1 Comment

  1. Lorena Ferreira Soeiro disse:

    Acabei de assistir os primeiro episódio. Super curti. Dos quadrinhos dele só conheço Walkind Dead ( que se inspirou em Extrerminio , o filme. E Outcast que virou série da Fox. Já quero assistir o outro agora!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *