O Vale Nerd – “Star Trek”, sobre sexualidade e relações humanas

Por Everton Nucci

Olá todo mundo, bem vindes ao vale! Eu sou Everton Nucci e hoje vou tentar fazer algo muito difícil. Filosofar a respeito das paixões humanas, falar um pouquinho sobre gênero, identidade de gênero, orientação sexual e – para não perder o costume – linkar tudo isso com a melhor série de ficção científica já escrita: “Star Trek” (minha coluna, meu ranking).

No episódio 23 da quarta temporada de “Star Trek: Next Generation” chamado de “O hospedeiro” (“The host” no original) conhecemos Odan, um embaixador alienígena da raça Trill. Acontece que um dos membros da tripulação da NCC-1701-D (“USS Enterprise” para os íntimos) se apaixona pelo embaixador, trata-se da médica chefe da nave estelar: Doutora Crusher. Durante uma missão de paz do embaixador ambos desenvolvem um forte romance e chegam até a fazer declarações de amor um para o outro.

O que a Doutora não sabia é que os alienígenas Trill são uma raça simbionte e que, portanto, o corpo com quem ela havia se relacionado nos últimos tempos era de um hospedeiro. A verdadeira forma do Trill esteve o tempo todo alojada no abdômen desse corpo de aparência humanoide. Quando o corpo do hospedeiro de Odan é ferido, ele precisa ser transplantado de forma provisória para o corpo do imediato da nave: Willian Riker. Mesmo assim, ela não consegue resistir à atração e acaba se relacionando com Odan no corpo de Riker.

Não parece, mas o alienígena Odan da Raça Trill arrasa corações

Nesse ponto temos um problema ético tal qual aconteceu recentemente com “Mulher Maravilha 1984”, a atitude da médica pode ser considerada estupro visto que o corpo do imediato estaria sendo “violado” sem o seu consentimento. Entretanto, é preciso considerar que ele ofereceu voluntariamente seu corpo ao alienígena para ser usado como quisesse, o que torna a interpretação um pouco mais complicada. E como o enredo do episódio já está suficientemente complicado vou deixar esse debate de lado e me concentrar nas questões de gênero.

Acontece que os seres humanos não tem uma estrutura forte o suficiente para abrigar um Trill então o corpo de Riker começa a sofrer. Por conta disso Odan é transplantado para um novo corpo alienígena, não antes de solucionar os problemas diplomáticos para os quais foi designado. Só que agora o corpo do novo hospedeiro é um corpo feminino. A médica fica visivelmente decepcionada e afirma que apesar de ainda amar o embaixador, ela é incapaz de continuar o relacionamento com mudanças tão grandes. Como ela define, a humanidade ainda tem muito o que evoluir.

Nesse caso, podemos notar que o Alienígena Odan é um ser que não se importa com definições de gênero enquanto a Humana Crusher vê nisso algo crucial. Veja bem: A mudança de corpo do embaixador para o corpo de Riker não impediu a doutora de continuar o relacionamento, na verdade ela seria capaz de se relacionar com o ser Odan, fosse ele de uma espécie alienígena, fosse ele de uma espécie humana, a única constante da situação é que ele deveria ser do gênero masculino. Quando ele troca para um corpo feminino ela não consegue mais continuar. Vale ressaltar que não estou condenando o comportamento da médica e nem dizendo que ela está sendo preconceituosa. A sexualidade é algo inerente a ela, ela é heterossexual, não consegue sentir atração por alguém do próprio gênero e nem tampouco consegue mudar isso ao bel prazer.

Vamos ter que trocar Odan de hospedeiro novamente, será que aquele estagiário do RH parecido com o Brad Pitt topa?

Já o embaixador, seria capaz de se relacionar com a médica qualquer que fosse o corpo dela, uma vez que para o simbionte a definição de gênero é abstrata. Ele não tem gênero, nenhum Trill tem, ele é um ser por si só, independente do corpo que habita. Para ele, o corpo é só um corpo, o corpo não determina quem é a pessoa.

Durante muito tempo a humanidade utilizou apenas as definições Masculino e Feminino como expressões válidas de gênero. Acontece que o ser humano é muito mais complexo do que isso, da mesma forma como não existe apenas preto e branco no mundo. Não existe apenas masculino e feminino, existem várias outras formas, definições ou expressões de gênero como “gênero neutro”, “gênero fluido”, “queer” dentre outras. Na verdade, numa pesquisa rápida no google encontrei informações sobre mais de trinta expressões de gênero possíveis.

É claro que, diferente do contexto da série, as nossas identidades de gênero são muito mais emocionais do que biológicas. O gênero não se restringe à cromossomos, dna, úteros, pênis e vaginas. Ou seja, sexualidade e identidade de gênero são coisas bem mais complexas para seres humanos do século XXI do que para seres interplanetários do século XXIII. Só uso essa história como exemplo pelo fato de ser muito mais simples de entender o que é um ser de gênero neutro.

Sinto muito, Odan, mas eu não me relaciono com mulheres, mas você conhece o Gary do RH?

Também não tenho nenhum intuito de pôr uma pedra definitiva sobre o assunto. Orientação sexual e identidade de gênero são coisas diferentes e, no fim das contas, quando se trata de identidade de gênero e de orientação sexual, a auto definição conta muita mais do que qualquer outra coisa, portanto, na dúvida perguntar não ofende!

E se você quiser conversar comigo, falar sobre identidade de gênero, orientação sexual, “Star Trek” e sobre como o Comandante Data é a melhor personagem de todas. Mande seu e-mail para contato@superninguem.com.br, ou deixe seu comentário logo abaixo.

E a dica do dia é o episódio piloto de “Star Trek: Deep Space Nine”, além de funcionar como um filme isolado, o episódio tem ligação direta com a saga Borg de “Next Generation” tem um tripulante da raça Trill e apresenta uma discussão sobre fluxo de tempo digna dos mais cabeçudos debates científicos. Por hoje é só, obrigado por lerem essa coluna, continuem acessando o site e fiquem em paz!

___________________________________________________________________________________

Everton Nucci é tecnólogo por formação, servidor público por opção, ator por paixão, escritor fanfarrão, e se fosse um Trill ia querer o corpo de Henry Cavill como hospedeiro

4 Comments

  1. Julie disse:

    Adorei, lendo a coluna sempre aprendo coisas novas. Henry! Esperto você ?

  2. Sidemar disse:

    Everton, isso me lembrou que em Star Trek Deep Space 9 temos uma situação similar; a Dax, hospedeira de um Thrill, encontra-se com um antigo amor que anteriormente dividira o corpo de um homem de seu povo; agora, entretanto, está no corpo de uma mulher. Dax não teve muitos problemas em aceitar isso…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *